Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias Governo inicia elaboração do Plano Estadual de Saneamento
22/03/2016 - 11h00m

Governo inicia elaboração do Plano Estadual de Saneamento

Estudos realizados pela Secretaria de Estado da Infraestrutura devem culminar em diretrizes para ampliação do saneamento em Alagoas

Governo inicia elaboração do Plano Estadual de Saneamento

Planejamento é fundamental para dar excelência ao trabalho pretendido. Foto: Marina Ferro

Texto de Myllena Diniz

Técnicos da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) deram início aos levantamentos para a elaboração do Plano Estadual de Saneamento, a ser dividido em três etapas, até a sua execução: diagnóstico, prognóstico e definição de programas e projetos para o período de 20 anos.

 

Abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem urbana, manejo de resíduos sólidos, um conjunto de serviços resumidos em uma palavra: saneamento. Um direito assegurado pela Constituição brasileira, na Lei nº 11.445/2007, com impactos na saúde, no desenvolvimento do país e na qualidade de vida dos habitantes.

 

"Já lançamos o Programa Estadual de Esgotamento, que vai ampliar de 19% para 40% a cobertura de coleta e tratamento de esgoto em Alagoas, até 2018. Mas, será com o Plano Estadual de Saneamento que teremos um ganho efetivo, já que engloba diferentes serviços - o esgotamento sanitário é um deles - e nos permite elaborar programas e estratégias para diferentes problemas", explicou Jamerson Lima, assessor técnico de políticas de saneamento.

 

O Plano também atende à Lei Estadual nº 7.081/2009 e apresentará o maior mapeamento da situação do saneamento em Alagoas. "Neste ano, estaremos dedicados ao diagnóstico dos 102 municípios alagoanos. Em 2017, teremos um prognóstico desse levantamento, com as perspectivas tendenciais, desejáveis e ideais. E, em 2018, definiremos programas e projetos", destacou Lima.

 

Panorama atual

Desde o início do ano, a Seinfra tem diagnosticado cerca de 50 municípios, como Messias, União dos Palmares, Maceió, Atalaia, Cajueiro e Murici. Nessa etapa, técnicos da pasta avaliam as ações iniciadas; as dificuldades para a execução; o que ainda falta ser feito;  o montante de recursos envolvidos; e todas as perspectivas das cidades.

 

"O diagnóstico envolve aspectos variados, como contexto social, saúde, educação, fisiografia, clima e geologia. Essas informações são essenciais para termos a compreensão da dinâmica de cada localidade, de como a água é utilizada, como é feito seu tratamento e qual é seu destino", salientou Jamerson Lima.

 

Também foram consultadas a Fundação Nacional da Saúde (Funasa) e a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Além dessas instituições, devem ser ouvidas a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) e os Sistemas Autônomos de Água e Esgoto (Saae).

Ações do documento

banner_lai+sic_LATERAL-A-PLONE3.jpg
banner_lai+sic_LATERAL-B-PLONE3.jpg

banner_GERAL_LATERAL_sic-plone3.jpg

banner e-ouv

banner-transparencia.png

Órgãos Vinculados

Casal

 

DER-AL

 

Serveal

Integra

Diário Oficial

cpl.jpg